sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Todos os anos fazemos uma Árvore de Natal, e sempre aproveitando materiais que iriam para a reciclagem. Mas desta vez, o prof. Francisco Félix (Coordenador do Programa Eco-Escolas, na nossa escola), fez-nos um desafio, o qual consistia em fazer uma Árvore de Natal em material reciclável, onde o Mar e a Floresta se enquadrassem. E assim, nasceu o nosso querido "Polvo"!
A rede, o barco e o polvo, são o Mar, a árvore de natal em cortiça e as pinhas (presépio) representam a Floresta.
O polvo tem 8 tentáculos, que para nós simbolizam:  Amor, Paz, Solidariedade, Amizade, Respeito, Honestidade, Felicidade e Alegria.

Feliz e Santo Natal, sejam Felizes!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Semana da Cultura Científica




O filme “O jogo da Imitação” foi projetado no auditório para 3 turmas de CT dos 10.º e 11.º anos e depois foi objeto de apreciação crítica na sala de aula, nas disciplinas de Biologia e Geologia e Português. 

Com a projeção do filme “O Jogo da Imitação” deu-se continuidade ao trabalho iniciado no ano transato, ou seja, aproveitou-se a Semana da Cultura Científica para apresentar uma obra que de alguma forma se relacionasse com o trabalho dos cientistas. Sem publicidade, sem intervalo, sem pipocas, sem coca-cola e praticamente sem telemóveis, foi como um regresso ao passado. 



(enquadramento da atividade)

Na BE/CRE decorreu ainda  uma exposição de livros e filmes sobre cultura científica e posteres sobre os Prémios Nobel de Fisiologia ou Medicina (2006-2018) que foram apresentados em sessão pública, na biblioteca, no dia 29 de novembro.



Cada grupo de trabalho dispôs de cinco minutos para explicitar os assuntos referenciados no poster. A exposição de posteres serviu de suporte para motivar os alunos 10.º ano de Biologia e Geologia para a importância deste recurso didático-pedagógico na construção do conhecimento. 

Os trabalhos realizados por alunos do 10.º e 12.º anos, em formato digital, foram visualizados num PC da BE/CRE. 



terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Colóquio " A importância da arqueologia para a construção da nossa identidade"

O palestrante, o arqueólogo Dr. Luís Rendeiro, após a apresentação de um vídeo elucidativo sobre o trabalho desenvolvido, no âmbito da Arqueologia, demonstrou a importância desta ciência para o estudo da Pré-História, assim como, da História. Revelou, ainda, os aspetos sobre os quais se debruça esta ciência, evidenciando, deste modo, o seu privilegiado contributo para o conhecimento e entendimento da ação do Homem, ao longo dos tempos. Frisou, também, o contributo deste ramo do conhecimento para o esclarecimento da memória “enquanto legado histórico”.





Terminou, salientando que é da responsabilidade de cada geração, pela boa preservação destes vestígios e pelo respeito e defesa dos artefactos arqueológicos que se vão identificando e que fazem parte integrante da nossa herança histórica.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Escritor do Mês

Muitos parabéns  à escritora  do mês de novembro!!!!


Pequeno pássaro a voar


Pequeno pássaro a voar
Como é livre estar?
Sem nada para se preocupar
A fazer tudo aquilo de que gostar

Se eu dissesse que inveja vou ter
Ao meu eu que não sabia sofrer
O que é que será que ele iria dizer?
Será que parva ir-lhe-ia parecer?

Primavera está a chegar
Vidas vão começar
Com o sol a brilhar
Também elas se vão magoar

Quando eu estava a nascer
Será que estava a sofrer?
Eu já não sei o que é ser
Feliz e um sorriso ter

Por mais que tente atrás voltar
Não consigo o meu eu verdadeiro achar
Onde está a criança a sonhar?
Que dentro de mim estava a morar

Desde quando estou a crescer?
Desde quando é que estou a viver?
O tempo passa sem me aperceber
Quanto tempo estou a perder

Pessoas a opinar
Outras a duvidar
Nunca em harmonia vão estar
A não ser que alguém pare de falar

Guerras e fome sempre vão afetar
A paz que nunca se vai criar
O pequeno pássaro em perigo vai estar
Será que a primavera está a chegar?

O tempo a apodrecer
Vida a morrer
O mundo nunca irá ser
O que a pequena criança quiser




Aluna 10ºCT1

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Parabéns Sr. Pessoa, por Afonso Dias



Afonso Dias, artista multifacetado,que nos chegou do Algarve, esteve em Peniche, no Auditório Américo Gonçalves, nos dia 21 e 23, a apresentar "Parabéns Sr. Fernando", iniciativa evocativa dos 130 anos de Fernando Pessoa.

“Parabéns, Sr. Fernando” é uma viagem pela obra de Fernando Pessoa e dos seus heterónimos mais conhecidos: Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, neste ano em que se assinalam os 130 anos do nascimento do poeta da “Mensagem”.

A homenagem chegou-nos pela voz de Afonso Dias – cantor, compositor e letrista de canções, poeta intermitente, ator e encenador de teatro, dizedor de poesia.

Nunca se tendo cruzado em vida, Fernando Pessoa e António Aleixo, ambos nasceram no final do século XIX (Pessoa em junho de 1888 e Aleixo em fevereiro de 1899) e morreram no mês de novembro em meados do século XX (Fernando em 1935, António em 1949).

Afonso Dias trouxe consigo um convidado especial: António Aleixo, o poeta popular algarvio, contemporâneo de Pessoa, mas evocou também Sophia de Mello Breyner Andresen, Cecília Meireles, Camões, Jorge de Sena, António Gedeão, Carlos Drumond de Andrade, etc.

Com muita música, poesia, e alegria, sentimos, mais uma vez como é GRANDE a poesia  em língua PORTUGUESA!!!




                               ( Poema de Fernando Pessoa "Tudo o que faço ou medito", cantado por Afonso Dias)


(conto "Raízes", de Mia Couto, dito por Afonso Dias)